terça-feira, 4 de abril de 2017

Pânico na escola



Redação: “Cachorrinhos”. Os alunos pensaram por um instante e começaram a redigir. Exceto um deles, que permaneceu imóvel, pensativo. Não tinha cachorros. Nem gostava muito deles. As ideias não vinham. As mãos tremiam. O papel mordia. A caneta fugia. Sua mente vazia.
O tempo passando. 
Mirava a folha, esperando um milagre. Então viu os filhotes. Vieram da última linha e foram subindo, saltando e latindo sem parar. Espantado, olhou para os lados. Silêncio na sala. Ninguém parecia notar o alarido. Todos concentrados. 
Confuso, desenhou uma vasilha e encheu de bolinhas. Quem sabe se vissem a ração parassem com aquela correria e o deixassem pensar. "Malditos cães!" 



  
Os minutos disparavam.
Os cãezinhos, deitando e rolando. Fez um pote com água. Eles beberam um pouco e continuaram a baderna. Como iria se concentrar com tanta algazarra? Talvez precisassem beber direto da fonte. Ao lado das vasilhas, desenhou uma cachorra, deitada, com suas tetas salientes, cheias de leite. Deu certo! Os danadinhos mamaram felizes. Ainda bem que sabia desenhar!
Tic-tac. Apenas mais 15 minutos.
Ao contrário de sua inspiração, o suor brotava, escorria de sua testa, pingando no chão da sala, onde todos escreviam, menos ele. 
Os minutos cruelmente voando. Os bichanos ainda estavam lá. Agora pulavam em cima da barriga da mãe. "Que bagunça! Saiam da minha folha!" Alimentados, brincavam de um lado a outro, correndo e latindo mais alto do que antes.
Precisava urgente escrever qualquer coisa. Não estava nada bem naquela matéria.
O pavor agora tomara conta do pavor e se espalhara por seus medos, encrespando sua testa, escurecendo suas unhas, arroxeando seus lábios, gelando suas mãos e o tornando um homicida em potencial. Só restara uma coisa a fazer e ele o faria: eliminar os invasores de sua folha! 
Tic-tac. Dois minutos.
Pegou a borracha e preparou-se para matar todos os desenhos, no exato instante em que os cachorrinhos começaram a morder e mastigar, destruindo por completo a folha de papel.


17 comentários:

  1. Quanta imaginação!Que lindo!Adorei! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Um conto muito criatvvo. Linda imaginação.

    ResponderExcluir
  3. Genial! Dá, inclusive, para imaginar esse episódio (até fofo) da vida do menino como precursor de alguma personalidade doentia no futuro. Sei lá. Estou só estendendo o escrito, haha!

    ResponderExcluir
  4. Oie amore ... quero te convidar a conhecer o meu blog ... (Um Café ) ... se desejar me seguir ficarei muito feliz ... obrigado pelo carinho ... bjus da Nana

    ResponderExcluir
  5. Hahaha, sensacional!!!

    Adorei, mil coisas para pensar com relação aos "filhotes"!

    Beijos =)

    ResponderExcluir
  6. hahaha, quanta imaginação, Rosa!! No começo dei uma travada... o quê? Como pode não gostar de cachorros?
    Você sempre surpreendendo!!
    Beijo, querida, saudades suas!

    ResponderExcluir
  7. ... e que bom que os cachorrinhos morderam a folha......!!
    Seria tão cruel, depois de tudo tão lindo, apagamentos-los...!
    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  8. a sua forma de comunicar é fantástica... a sua e a do menino! estava a vida ali na sua forma de comunicar.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. OI QUERIDA AMIGA
    MUITAS VEZES NÃO SABEMOS ESCREVER UMA REDAÇÃO MAS SONHAMOS E DESENHAMOS EM NOSSA MENTE. SE EXPRESSAR ESCREVENDO NEM SEMPRE É FÁCIL MAS SONHAR É A REALIDADE DO QUE ESTAMOS PENSANDO E QUE OM QUE ELE APAGOU TODOS ANTES QUE COMESSEM A FOLHA!
    BELA HISTÓRIA, PARABÉNS!
    BEIJOS

    ResponderExcluir
  10. Oi Rosa, como vai querida escritora?
    Primeiro quero parabenizá-la por seu novo trabalho.
    A obra Perto do Fim deve ser maravilhosa, com toda a certeza!
    Você é muito criativa e envolvente com as palavras Rosa!!! Mil parabéns!!!

    Realmente seu texto dos cachorrinhos serelepes povoando a folha de escrita e também a mente do menino é fantástico...
    Criatividade e desenvoltura na escrita não lhe falta amiga..
    Está sempre nos surpreendendo!
    Desejo muito, muito sucesso!!!

    Deixo um grande beijo e desejos de uma Páscoa maravilhosa querida!!!

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde, Rosa.
    Maravilhoso ler você!
    Quanta criatividade!!
    Desespero terrível ter de criar sob o ponteiro cruel das horas um tema e não conseguir.
    Amei a riqueza dos detalhes.
    Parabéns!!!!!!
    Você é MARAVILHOOOOOOOOSA!
    Beijos na alma e tudo de bom.
    Comentei na postagem do seu novo romance.

    ResponderExcluir
  12. Olá Rosa, td bem?
    Achei o seu texto muito criativo e inspirado. Vc escreve muito bem, é gostoso de ler.
    Parabéns pelo texto!
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Oi, Rosa! Tudo bem? Fazia algum tempo que não visitava o seu blog! Felizmente, fui recebida com esse texto divertido e criativo. Adoro a forma como você consegue tirar histórias de situações cotidianas.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, Rosa.
    Já comentei aqui e adorei, pra variar.
    Você é ótima!
    Saudades de ler você.
    Tenha um excelente domingo.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  15. Olá Rosa, como vc está?
    Passando aqui pra te desejar uma ótima semana e dizer que atualizei o meu blog. Qdo puder me visitar será um enorme prazer!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Bela inspiração as sua expressões. Lindo conto. Uma feliz e maravilhosa semana.

    ResponderExcluir